Escaparam.

31 05 2010

O Vasco tinha tudo pra ganhar da cachorrada mas  infelizmente o Simon não deixou.

Tudo bem que o empate com o Botafogo não foi de todo um mal resultado.

O adversário faz excelente campanha no campeonato, está bem na tabela e já venceu, empatou ou fez jogo duro com três dos principais candidatos ao título.

Mas na partida deste Domingo o Vasco foi melhor e merecia vencer.

Só não levamos os três pontos porque fomos mais uma vez surrupiados vergonhosamente.

 

Primeiro Simon marcou um penalti que só ele viu quando Nilton caído no chão teve a bola chutada em seu braço.

Depois anulou o golaço do Jefferson dando falta de ataque numa jogada em que se houve infração, foi do zagueiro no centroavante.

Em um clássico equilibrado os dois atos foram mais do que suficiente para impedir a vitória do Vascão.

Um time que jogou compacto e com uma atuação regular de zaga, meio e ataque.

Como destaques positivos, Dedé, zagueiro que praticamente não comete faltas, Ernani, o Josimar bacalhau que marcou um golaço de pé trocado e principalmente o meia Jefferson.

Na verdade o Vasco foi um com o camisa sete em campo e outro sem ele.

Enquanto jogou, participou de todas as armações de jogada, deu bons dribles, lançamentos, obrigou seu chará a fazer uma defesa dificílima depois de bela jogada individual e ainda marcou o fatídico gol mal anulado.

Depois que saiu o meio parou de funcionar, Magno foi mais uma vez absolutamente nulo e Souza tentou fazer a ligação com ataque mas errou todos os passes que tentou.

Coutinho desapareceu e Nilton tentou chutes de longa distância que provocaram sensações desagradáveis na torcida.

Quanto ao adversário, mais parece um time de rugby com seus chutes para o alto e avante. 

É impressionante como a estratégia se resume a cavar faltas pra alçar a bola na área, quando não dá, vão tocando até terem a oportunidade de chuveirar, de frente, de costas, de ladinho, enfim o que importa é jogar a bola pra frente de qualquer forma. 

É sem dúvida um estilo de jogo deveras rudimentar.

Glub.





Pra matar cachorro a grito.

30 05 2010

Hoje é dia da torcida lotar o Engenhão como se fosse a nossa casa e empurrar o Vascão rumo a mais uma vitória no Brasileiro.

O cachorro é freguês e todos lembram muito bem o que aconteceu na última visita.

Recordar é viver…

Glub.





Iererê, ierê, ierê, ô ô ô ô.

28 05 2010

Vasco vence o Inter por 3×2 em uma virada no peito e na raça.


 

A vitória de hoje foi uma das que mais me emocionaram nos últimos anos.

O primeiro tempo foi deprimente e mesmo sem merecer o Inter venceu por 2×0.

Dois jogadores em particular afundaram o time: Leo Gago e Ramon.

O primeiro nem voltou pro segundo tempo e o outro saiu no decorrer dele.

Jefferson e Ernani os substituiram e mudaram a sorte do jogo.

O meia deu o toque de qualidade que faltava no último passe, inverteu o jogo com categoria, conduziu bem a bola e fez lançamentos precisos.

O lateral esquerdo fez o que eu faria na primeira bola que pegou: fechou o olho e chutou em gol.

Por isso que geralmente sou o último a ser escolhido nas peladas em que raramente atuo.

Até porque não sei torcer o pé com se ele fosse desossado e arrastá-lo na grama até entrar na área como nosso herói fez com maestria: penalti pro Vasco que Coutinho converteu com muita personalidade, marcando seu primeiro gol em São Januário e empatando a partida.

Já no finalzinho, aos 40, Nilton acertou o pé e se redimiu (momentaneamente) dos últimos infortúnios com um chute que estufou as redes do colorado.

Foi o gol da virada, da primeira vitória do Vasco na campeonato, aquela que nos tirou do zona maldita pra onde se Deus quiser nunca mais vamos voltar.

Mas não pensem que esqueci do gol do Elton, o primeiro do Vasco, marcado aos 4 do segundo tempo.

Na verdade, guardei para o final aquele que foi o momento decisivo de nossa virada de hoje.

Quando ninguém mais acreditava e tudo parecia perdido, Elton chamou a responsabilidade pra sim, cercado por zagueiros e sem ter muitas opções ajeitou o corpo e soltou uma bomba sensacional.

Um gol de Ademir, de Valdir, de Dinamite, que foram três nomes que me vieram à cabeça na mesma hora que a bola estufou as redes.

Foi um gol daqueles que lava a alma, tira a nhaca do couro e faz lembrar time e  torcedores quem é que está em campo.

Porque essa porra é Vasco, isso é tradição, é raça é coração, é vitória, no jeito se der, na força, se não der, mas sempre com coragem e luta até o fim.

O Vasco é o time da virada, o Vasco é o time do Amor.

Iererê, ierê, ierê, ô ô ô ô.

Glub.





Autoflagelação.

25 05 2010

Torcida invade o treino para tentar agredir jogadores e Presidente acha isso normal.

Hoje foi um dia deplorável

Cerca de 30 torcedores invadiram o campo e partiram para cima dos jogadores.

Se o segurança do clube não tivesse intervido, Elder Granja e Elton teriam sido agredidos.

Celso Roth assistiu a tudo à distância com ar incrédulo.

Depois de 20 minutos de conversa dentro de campo, olho no olho e dedo na cara, os valentões sairam de campo sem serem perturbados e circularam em São Januário pertubando quem tentava assistir o treino de forma pacífica.

Roberto Dinamite chegou depois da situação contornada e disse que esse tipo de coisa é normal, dentro do limite do respeito.

Roberto, me desculpe, mas isso não é normal não.

Quem ama o Vasco, quem quer o bem do Vasco e sobretudo quem tem miolos na cabeça não pode ter uma atitude como essa.

Atacar os jogadores em seu local de trabalho, ameaçando sua integridade física em um momento em que os nervos já estão à flor da pele não é só covardia. É muita burrice.

Inclusive porque vimos esse filme no ano passado quando perdemos o Moraes e já sabemos que é filme B.

Glub.

Atualizado.

Rodrigo Caetano, desesperançoso, saiu de São Januário com todas as suas coisas debaixo do braço dizendo que não volta. 

Aí sim, fudeu tudo.

Glub.





Mar revolto.

24 05 2010

Vasco perde na Ressacada e tem apenas 1 ponto em 3 rodadas.

O Vasco deu muito azar em Santa Catarina.

Azar de ter em campo um desgraçado como o Nilton que mais uma vez entregou um jogo que poderíamos ter vencido.

Qual será o tamanho do cérebro deste rapaz?

O time começou bem, Coutinho voava baixo e o gol era questão de tempo.

Aí veio a chuva, a ridícula pixotada, o tento do adversário e uma lamentável incapacidade de reagir da equipe.

Roth foi infeliz nas alterações, Phillipe sumiu e Rafael Coelho apareceu.

Aliás, se me permitem, o que é Rafael Coelho?

Quando parecia que íamos reagir veio o segundo gol no contra ataque e seis pontos foram pelo ralo -> esse time do Avaí é tão ruim que é sério candidato ao rebaixamento.

É isso. Me recuso a tecer mais comentários em um jogo em que Dedé foi o melhor jogador do Vasco.

Não pode.

Glub.





Pra ganhar no Avaí.

23 05 2010

Glub.





Desce redondo.

21 05 2010

Liguei pro Montillo, mas só dá fora da área de cobertura…

Quaquaquaquaquaquaqua, valeu Marcão.

Eu teria, um desgosto profundo…

Glub.