Chama o Lusitânia.

31 01 2011

Nélson, Leitão e Mingote (Cláudio); Nicolino, Bolão e Arthur, Paschoal, Torterolli, Arlindo, Ceci e Negrito.

Técnico: Ramon Platero.

Desde 1923, ano em que estreamos e vencemos a primeira divisão do Campeonato Carioca, nunca havíamos começado tão mal um Estadual, com quatro derrotas seguidas.

E se resgatarmos em toda a história do futebol do Vasco, apenas em 1916, quando disputamos uma competição profissional de futebol pela primeira vez, tivemos um começo tão desolador.

1917, Campeonato Carioca da Segunda Divisão LMDT

27/05 – Vasco 4×2 Icarahy

03/06 – Vasco 2×2 Brasil

10/06 – Vasco 2×0 Paladino

08/07 – Vasco 3×5 Catete

1918, Campeonato Carioca da Segunda Divisão LMDT

13/05 – Vasco 2×3 Rio de Janeiro

19/05 – Vasco 3×2 Americano

02/06 – Vasco 0x5 Palmeiras

09/06 – Vasco 1×2 Catete

1919, Campeonato Carioca da Segunda Divisão LMDT

08/06 = Vasco 5×6 Mackenzie

22/06 – Vasco 8×2 River

01/07 – Vasco 4×4 Rio de Janeiro

20/07 – Vasco 6×1 Esperança

1920, Campeonato Carioca da Segunda Divisão LMDT

18/04 – Vasco 4×2 Americano

02/05 – Vasco 2×1 Rio de Janeiro

16/05 – Vasco 4×0 Brasil

30/05 – Vasco 0x2 Mackenzie

1921, Campeonato Carioca da Primeira Divisão, Série B, LMDT

03/05 – Vasco 2×0 Palmeiras

17/05 – Vasco 1×4 Vila Isabel

22/05 – Vasco 4×2 Mackenzie

05/06 – Vasco 0x0 Carioca

1922, Campeonato Carioca da Segunda Divisão LMDT.

06/05 – Vasco 4×0 Palmeiras

23/05 – Vasco 0x1 Vila Isabel

30/05 – Vasco 3×0 Mackenzie

14/05 – Vasco 2×1 Carioca

Neste ano fomos campeões, repetimos o feito nos dois anos seguintes e os camisas negras se tornaram o mais temível esquadrão em terras cariocas.

Mas hoje regredimos aos primórdios do Futebol Vascaíno, recém nascido da fusão com o Lusitânia.

1916 – Campeonato Carioca da Terceira Divisão, LMSA

03/05 – Vasco 1×10 Paladino

13/05 – Vasco 1×5 Brasil

28/05 – Vasco 0x4 Icarahy

14/07 – Vasco 2×4 Parc Royal

No final do jogo, encontrei o Presidente Roberto Dinamite.

Triste, cabisbaixo, com os olhos marejados, sem acreditar no momento em que o Vasco vive.

Time em frangalhos, torcida em guerra e inimigos infiltrados por todos os lados (abre o olho, Roberto!)

Confesso que os 90 minutos de hoje, os 270 que os antecederam a visão de meu maior ídolo em total abandono e atordoado me tiraram qualquer condição de tecer mais comentários.

Exceto afirmar que Eduardo Costa e Jefferson são jogadores dígnos de vestir a camisa do Vasco.

E Ramon definitivamente não é.

O Vasco precisa de ajuda.

Contem comigo.

Glub.





Poço sem fundo.

23 01 2011

Com mais uma atuação ridícula, Vasco perde para outro pequeno: Nova Iguaçú: 3×2.

Desde 1984, o ano em que o Irmão Eddie nasceu, o Vasco não dava um vexame como o de hoje, dia de aniversário do mesmo cidadão.

Foram 27 anos sem perder as duas primeira rodadas do campeonato carioca, o que convenhamos, não é nada mais do que a obrigação para um clube como o Vasco da Gama.

E pelo que jogamos no primeiro, tempo, os 2×0 ficaram até barato.

Cezinha e Fernando fizeram lembrar os melhores momentos de Vilson, Eduardo e Jorge Luiz, com o agravante que estes ganham mais de três vezes o salário aqueles.

Allan e Rômulo não ajudaram nem um pouco na proteção, até porque nenhum dos dois é cabeça de área típico.

Bobeira de PC, que podia ter colocado o Jumar ou até o Renato Augusto, mas sobretudo mais uma consequência da vacilada inacreditável da Diretoria que nos fez perder a dupla de zaga e o cabeça de área titulares de toda a pré temporada.

Esse erro somado à clara insatisfação geral dos principais jogadores do elenco nos fizeram praticamente dar adeus à taca Guanabara de 2011.

Carlos Alberto e Felipe não marcam ninguém, desperdiçam boas jogadas por preciosismo, param e colocam as mão na cintura, sem o menor espírito de equipe.

Eder Luis parece ter perdido a alegria de jogar e se bobear vai ser o próxio Zero Berto e Marcel – pásmém – é PIOR DO QUE O NUNES.

Pra completar, Ramon não acerta um passe, um cruzamento e não chega a linha de fundo nenhuma vez. Tão deprimente, que apesar dos xingamentos que sei que virão do irmão Vander, pra mim é hora de dar uma chance pro Marcio Careca.

Na minha opinião, só se salvaram Fagner (nota 6) e Prass (nota 8), todo o resto foi deplorável.

Ainda temos mais um pequeno no caminho, o Boavista, na quinta-feira, antes de pegar o Urubu no Domingo, no primeiro clássico do campeonato.

O mínimo que se espera é que  Dedé, Anderson e Eduardo tenham finalmente condicões de jogo e o que o Vasco possa finalmente estrear neste campeonato, antes que seja tarde demais.

Glub.

Toques curtos:

– incacreditável a postura de PC no primeiro tempo técnico. Ao invés de dar esporro, parecia implorar aos jogadores por um pouco de empenho. Lamentável.

– o choro de Carlos Alberto foi de quem já está preparando a torcida pra uma nova calçada de sandálias. Olho nele.

– Se Jadson Vieira é pior do que Cezinha, Fernando ou Douglas, pelo amor de Deus, manda esse desgraçado embora.





Bom começo.

16 01 2011

Vasco vence Cerro Portenho por 1×0 na primeira partida da temporada.

 

Vou começar pelo fim: gostei muito da primeira impressão do Vasco versão 2011.

 Me pareceu que ficamos mais fortes em todas as posições em que nos reforçamos, o que não é necessariamente uma obviedade.

Gostei muito do Anderson, que apesar de destro, pareceu confortável pela esquerda e ainda marcou o primeiro gol de sua carreira logo na estreia. Se ainda não era, provavelmente já se tornou Vascaíno.

 Acho que o Eduardo Costa é um upgrade considerável em relação ao Carioca, entra duro em todas, se impõe e pareceu dar mais tranquilidade para o Rômulo jogar.

 Carlos Alberto e Felipe, atuando de forma realmente coletiva pela primeira, mostraram que vão dar caldo. Trocaram passes com alegria, mostrando um entrosamento surpreendente.

E que, acima de tudo, fizeram as pazes, se é que houve de fato alguma rusga entre eles. Pra ficar melhor só o Carlos Alberto soltando mais a bola e deixando os pênaltis para o parceiro, que não chuta com tornozelo de areia.

 E por último, Marcel, que se não teve uma grande atuação, pelo menos realizou a função de pivô com desenvoltura e alcançou umas 2 ou 3 bolas alçadas na área, arrematando de cabeça, ainda que sem perigo. Comparado com Nunes, que não conseguia se manter de pé, foi outra melhoria considerável.

 Gostei muito da entrada do Irrazabal, que aumentou bastante o poder ofensivo e apesar das poucas chances, acho que esse Mizael vai ser nosso amuleto e mascote.

 

Agora chega de carga física, é hora de soltar os músculos e aperfeiçoar o conjunto para atropelar o Resende.

 Glub.

 Toques curtos:

 Caso Zé Buteco:

 

– Tem que mandar pro raio que o parta, mas não pro Inter. Por mim, oferecia pro Grêmio, em troca do Borges ou até mesmo do Leandro. Pro tricolor gaúcho seria uma puta resposta nos Colorados depois de toda a zoação no caso MercenaR10.

 – Marlone é fera. Lembra muito o Tiago Neves, porém sem a homossexualidade. Washington também é bola, volante muito habilidoso, uma espécie de Arouca, mas ainda precisa ganhar corpo. Por último, Willen Charuto, na minha opinião, é o reserva imediato do Marcel. Parabéns a equipe de Juniores e ao técnico Galdino!

 Glub.





Charuto do bom

7 01 2011

Willen Charuto foi o grande destaque da goleada de 7×0 sobre o Linense, na partida disputada hoje, pela Copa SP.

O atacante marcou dois gols, deu inúmeras assistências e se tornou mais uma grata surpresa deste campeonato que já nos revelou Marlone (mais um gol e uma bela atuação) e Washington, que matou a pau e marcou outros dois.

Luciano e Diego  Diogo, este finalizando com um tirambaço uma triangulação de Copa do Mundo, dearm números finais ao massacre.

Parabéns para o treinador Gaudino pelo entrosamento e esquema ofensivo e obrigado aos garotos pelo excelente começo de ano do futebol Vascaíno.

Glub.





Retrospectiva 2011

6 01 2011

Ainda estamos no dia 06, de Janeiro, mas o fato é que fiquei sem escrever por muito tempo, por motivos alheios à minha vontade.

 

Neste intervalo, muita coisa aconteceu, daí o título do post, então vou tentar resumir, focando nos fatos  mais importantes.

O elenco está fechado e infelizmente, mais uma vez, ficamos sem o nosso extra-série.

Por outro lado, ainda em 2010,  fortalecemos o time com o Anderson Martins, Eduardo Costa e Marcel, além do tiro no escuro Misael.

Na minha opinião os 3 primeiros entram para ser titulares no time que fica com Prass, Fagner, Dedé, Anderson, Ramon, Eduardo, Nilson, Felipe, Casalberto, Eder e Marcel.

Vamos guardar nosso cartucho final (centrovante de ponta) para o segundo semestre e a disputa do Brasileirão e da Copa Sulamericana, competições teoricamente mais difíceis do que o Carioca e a Copa do Brasil, do primeiro semestre.

Um planejamento mais conservador do que a torcida gostaria, porém infelizmente muito mais condizente com a atual situação do clube.

 

Se dentro de campo a coisa anda meio devagar, fora dele a política pega fogo.

Tudo indica que teremos cinco chapas, Situação, Casaca, Cruzada, Horta e MUV, como o clounista Jairo Rocha Filho escreveu brilhantemente no Semprevasco: http://semprevasco.com.br/colunatexto.php?cod_coluna=461 .

Dinamite neles.

 

Voltando pra bola rolando, a Copa SP de Juniores mata a saudade de ver a cruz de malta lutando em campo e a vitória de 3×0 sobre o America de Natal nos mostrou duas belas surpresas: Marlone e Washington.

É claro que foi apenas um jogo, que são apenas meninos e que muita água ainda tem que rolar.

Mas quem ainda não viu, tem que ver:

Glub.

Toques curtos:

– tira o frigobar do quarto do Zero Berto que ele volta a treinar correndo.

– fontes seguras afirmam que esse Patric pode surpreender.

– os caras são feitos de otário duas vezes, do mesmo jeito, por um Ronaldo. E depois ainda dizem que português que é burro…

– Acácio ou Carlos Germano, Max, Cesinha, Jadson e Marcio Careca, Romulo, Felipe Bastos, Enrico e Jefferson. Zero Berto e Patric.  Eu dispensava  Jumar, Irrazabal e Fernando e economizava um troco.

Glub.